Pode pensar que leu mal o início deste artigo ou que se tratou de algum lapso, mas é mesmo verdade: ISO superior a 3 milhões... De facto, a Nikon D5 atinge uma sensibilidade ISO máxima de outra galáxia (ISO nativo até 102,400, expansivo a 3,28 milhões, contra os 25,600 – 409,600 que a D4s atinge). Dotada de um sensor full frame de 20,8 MP, capaz de disparar a 12 fps (14 com o espelho bloqueado), a nova câmara profissional da marca apresenta, ainda, o poderoso processador Expeed 5 e filma numa resolução máxima de 4k a 30fps (clique aqui). O renovado Sistema de Autofoco é um dos ex-libris, com 153 pontos, dos quais 99 são cruzados, sendo “a primeira DSLR com um processador AF inteiramente dedicado”, salienta a Nikon. Outra das novidades, nada usual num modelo DSLR topo de gama, é o LCD táctil (3,2”). De destacar, também, um viewfinder com uma magnificação de 0,72x e uma cobertura de 100%, além de uma ligação Ethernet, capaz de transferir imagens 1,5x mais rápido que a D4s.

 

A Nikon D5 vai estar disponível já em Março deste ano, em duas versões: com slot duplo CF ou XQD. Já o valor deverá rondar os 6500 dólares, cerca de 6050 euros.

 

Veja aqui as especificações

Nikon D5 vs D4s vs D3s - Clique aqui

 

 

 

Nikon D500: Profissional com sensor crop

 

Já há algum tempo que dizíamos que a Nikon não tinha respondido, ainda, ao lançamento da Canon 7D Mark II (a D7200, uma câmara muito interessante, não constituía, ainda assim, uma ameaça séria). Pois bem, a D500 é a resposta. “Uma nova era no formato DX”, é assim que a Nikon descreve este novo modelo, que partilha alguma tecnologia com a D5.

 

Com um Sensor de 20,9 MP e o processador Expeed 5, consegue disparar a 10 fps (clique aqui), além de beneficiar do Sistema de Autofoco da D5, com os mesmos 153 pontos. O seu “buffer” é impressionante, pois permite armazenar 79 fotos consecutivas em RAW de 14 bits. Já deu para perceber, então, que a D500 é uma câmara excepcional para fotógrafos de desporto e vida selvagem. Mais leve e compacta que a D5, mas com um corpo ao nível da D810, à base de Liga de Magnésio e resistente a intempéries, a parte da frente da câmara foi ainda reforçada com fibra de carbono, enquanto o obturador tem um ciclo de 200 mil disparos. Quanto ao ISO, não atinge, obviamente, os números astronómicos da D5, mas ainda assim apresenta características de topo, com um ISO nativo de 100 a 51,200 e expansivo de 50 a 1,640,000...

 

De resto, de referir o LCD inclinável (3,2”) e táctil, duplo slot para cartões de memória XQD e SD, Wi-fi e NFC e, outra novidade, Bluetooth (clique aqui). No que a vídeo diz respeito, parece que o 4K veio para ficar nas Nikon, com a D500 também a filmar nesta resolução a 30fps. Além disso, sublinha a marca, “partilha várias das especificações pro de vídeo da 810”. Time-Lapses em 4K, saída HDMI sem compressão e possibilidade de gravar vídeos 4K no cartão, ao mesmo tempo que envia o sinal para a saída HDMI, são outras mais-valias.

 

Disponível a partir de Março, o corpo rondará os 2 mil dólares (1860 euros) e o Kit com objectiva 16-80 f/3.5-5.6G ED VR os 3,070 dólares (2850 euros).

 

Veja aqui as especificações 

 

 

 

 

 

SB-5000: Primeiro Speedlight Nikon com Rádio Frequência

 

Juntamente com a Nikon D5 e D500, foi também lançado um novo flash, o SB-5000. Trata-se do primeiro Speedlight da marca a usar rádio frequência, o que permite operá-lo até uma distância de 30m, sem ter que se preocupar que algo esteja a bloquear o sinal entre o emissor e o flash. Quando utilizado em conjunto com o transmissor wireless WR-R10 e uma D5 or D500, o SB-5000 pode controlar até 6 grupos (A-F) e 18 speedlights.

 

Um novo sistema de arrefecimento, que previne o sobreaquecimento quando leva a cabo muitos disparos sequenciais – a Nikon afirma, mesmo, que consegue aguentar 120 disparos contínuos com intervalos de 5 segundos - é outra mais-valia deste novo flash, que vai estar disponível no início de Março por cerca de 600 dólares (550 euros).

 

Veja aqui as especificações e vídeo (aqui)